domingo, 10 de abril de 2011

Videos da Obra O CORTIÇO!

video
video
video

O cortiço!

Videos sobre a obra O CORTIÇO!


video

Imagens sobre a obra O CORTIÇO!










Conclusão Pessoal - Alana. 
Concluí que a obra de Aluísio Azevedo procura fazer um retrato fiel da época.O autor não têm limitações para escrever sobre todos os tipos de assuntos e problemas, tanto a lavadeira quanto o rico empresário fazem parte da trama e têm o seu grau de importância. O que realmente importa são as transformações ocorridas ao longo da narrativa. O objetivo do autor é demonstrar que o ambiente determina os comportamentos humanos e influência o aspecto moral e social das personagens envolvidas. A obra transcorre em um espaço físico delimitado - o Cortiço e o Sobrado - . E estas personagens e ambientes podem ser facilmente encontrados em nossa realidade e fazem parte da nossa vida.
O cortiço é uma obra que apresenta de maneira bem evidente alguns aspectos problemáticos da realidade brasileira da época, denunciando as dificuldades enfrentadas pelas classes sociais menos privilegiadas.
A obra transcorre em um espaço físico delimitado e descreve um grupo social definido. O objetivo do autor é demonstrar que o ambiente determina os comportamentos humanos e influencia o aspecto étnico.

O Cortiço basea-se em uma época definida, o Naturalismo e o Naturalismo manifesta grande interesse pelos instintos, principalmente o sexual, pois eles são encarados como determinantes do comportamento. Quando as personagens se deixam guiar pelos instintos são comparadas aos animais.
Em o cortiço, o sexo é a força mais degradante que a ambição e a cobiça. A valorização do sexo, típica do determinismo biológico, e do naturalismo, conduz o autor a buscar quase todas as formas de patologia sexual, desde o “acanalhamento” das relações matrimoniais, adultério, prostituição, homossexualismo, etc.

No decorrer da narrativa, alguns personagens sofreram um processo de transformação (para melhor ou para pior, em termos sociais ou morais), ou seja, João Romão passou de um simples empregado de um vendeiro para aspirante a um título de Visconde, tornou-se muito rico; O percurso de Jerônimo é oposto à trajetória ascendente de João Romão. Sério, trabalhador, pai exemplar de família, Jerônimo torna-se um homem dominado pelos apelos sexuais após conhecer Rita Baiana. Transforma-se, enfim, em alguém muito próximo da imagem que se tem do malandro carioca. As personagens femininas também sofrem transformações, ou seja, Piedade, esposa de Jerônimo, denigre a própria imagem de mulher trabalhadeira com acessos de bebedeira após ser abandonada pelo marido e finalmente Pombinha, a menina-anjo, transforma-se em uma prostituta de luxo.

Conclusão Pessoal - Flávia.

O cortiço é um livro naturalista, o livro que tem mais sucesso em ilustrar o naturalismo no Brasil. Sendo assim, pode-se perceber características desse estilo muito forte no livro. É importante lembrar que nessa obra o ênfase principal não é o personagem João Romão e sim o cortiço. O Cortiço é uma especial de favela, que João Romão, a muito custo construiu, economizando o quanto podia e levando vantagem na venda de produtos em sua mercearia.
Na trajetória conseguiu também uma aliada, Bertoleza, que o ajudava a roubar material de construção de uma pedreira da região para a construção de pequenos cubículos, que mais tarde seriam habitados por trabalhadores da pedreira e suas esposas lavadeiras. Sem saber que João compraria posteriormente a pedreira. Na história há também a presença de Jerônimo, português trabalhador que veio com a família para o Brasil e chegando ao cortiço por meio de um emprego que lhe foi oferecido por João Romão. Sofre influência do meio e passa a vagabundar e deixar de ser o trabalhador exemplar que antes era, culpa de Rita Bacana. Rita era uma típica brasileira, trabalhadora que gostava de pagode e música alta, até altas horas, namorava Firmo, mas esse deixou de ser interessante a ela, pois foi morte por Jerônimo em uma luta de animais, onde somente um poderia sobreviver. Pombinha, moça certa e educada, como se fosse da nobreza, também morava no cortiço. Ela nunca havia menstruado e sua mãe dela não a deixava casar enquanto sua menstruação não viesse.
Foi levada a casa de Léonie, onde é seduzida e no dia posterior à visita, ela fica mocinha! Casa-se com o homem a quem era prometida, porém logo se separa e vira prostituta, ao lado de quem a seduziu anteriormente.
Ao lado do Cortiço, em um majestoso sobrado, morava Miranda e sua família.
O primeiro adquiria o título de barão e a inveja de João Romão, que cobiçava a vida boa e tranquila de Mirada e o titulo. Queria se casar com a filha do barão para adquirir mais riquezas, mas, para isso precisava se livrar de Bertoleza, a negra com quem ele dormia todas as noites. Por esse tempo João estava mais rico, andava com roupas finas e mal cuidava de sua venda, deixava um empecilho na vida do mesmo, pois o impedia de enriquecer mais casando com a jovem Jumira.
Por fim João tem uma idéia com a ajuda de Batelho. Entregar à negra para o seu antigo senhor, já que ela não tinha a sua carta de alforria.
Bertoleza prefere se matar com uma faca, do que ser entregue para seu antigo dono pela policia.
No livro é mostrada a evolução e regressão dos personagens, por influência do cortiço, até o Cortiço muda com o tempo. Passando a aceitar somente pessoas de classe mais alta do que a anterior, forçando os membros antigos e mais pobres a se retirar e irem para outra favela.